Maisumamãe
 

17 Janeiro 2017

Bolo de baunilha sem ovos (vegan)

 

Ingredientes

3 c.sopa de óleo de coco

100g de açúcar mascavado

200g de farinha integral

100g de farinha de trigo

150g de leite vegetal – utilizei de aveia

1 c.sopa de fermento em pó

1 vagen de baunilha

 

Mãos-à-obra:

1) Bater o óleo de coco com o açúcar na batedeira ou bimby até ficar cremoso

2) Cortar a vagem ao meio com uma faca afiada

3) Aquecer um pouco o leite vegetal com a vagem de baunilha

4) Deixar o maravilhoso aroma da baunilha soltar-se, enquanto o leite arrefece um pouco

5) Retirar a vagem do leite, serve para utilizar uma segunda ou terceira vez

6) Juntar o leite vegetal ao creme de óleo e açúcar e mexer bem

7) Acrescentar as farinhas, o fermento e mexer para misturar. Não mexer muito, apenas misturar

8) Untar uma forma com azeite ou óleo de coco e polvilhar com farinha

9) Colocar a massa e levar ao forno pré-aquecido, cerca de 30min

10) Fazer o teste do palito para ver se está pronto

11) Deixar arrefecer um pouco e desenformar.

 

Utilizar ovos numa receita tem vários propósitos. Ligar os ingredientes, deixar a massa mais húmida ou mais macia. No caso das claras, para ajudar a massa a crescer, entre outros efeitos. Quando se pretende algum destes efeitos, ao retirar os ovos, pode ser necessário substituir por outros ingredientes. Linhaça, maçã, vinagre de sidra, fermento, leite vegetal, são algumas das opções.

 

A baunilha é um ingrediente poderoso! Trata-se de uma vagem proveniente da flor orquídea, que segundo o que li, é a segunda especiaria mais cara do mundo, o açafrão está em primeiro. É bastante cara pois tem uma reprodução difícil e um processo de preparação moroso. Mas bem aproveitada compensa. Há várias formas para aproveitar melhor a vagem: aquecer algumas vezes em bebida vegetal ou leite, fazer extracto de baunilha, fazer açúcar baunilhado e outras ideias que circulam por aí pelo mundo da internet. Neste caso utilizei a vagem e as sementes. Mas também podia ter raspado as sementes, utilizá-las no bolo e guardar a vagem para secar e triturar. A baunilha em pó também pode ser uma opção, apesar do sabor ser menos intenso que a vagem. Estas biológicas da Biovegan, têm um preço bastante apelativo. Outra opção são estas na Puro Sumo.

 

CIMG0072.JPG

Comprei a baunilha na loja Maria Granel

 

CIMG0203.JPG

Utilizei este óleo de coco, é mais barato do que aquele que comprava no continente e bom na mesma


18 Abril 2015

A partir dos 6 meses – Iniciámos a Alimentação Complementar

 

AS PAPAS

Como referi em posts anteriores logo após os 6 meses da Gaby, não lhe dei papas mas sim sopa. Para o lanche, fruta e leite materno.

Aos 9 meses quando entrou para a ama, comecei a mandar-lhe fruta para o lanche. Como os outros meninos levavam papa, com o tempo ela também começou a pedir. Por volta dos 11 meses, toca de começar a fazer papas caseiras.

Nas minhas primeiras pesquisas encontrei boas receitas com aveia, arroz, farinha. Mais tarde descobri que também podia fazer com outros cereais ou sementes. Comprei bulgur, quinoa, millet e couscous e coloquei mãos-à-obra.

 

Papa com aveia crua

Costumo fazer uma papa de aveia, sem cozer a aveia. Como faço leite de aveia regularmente, utilizo o que sobra (a aveia coada) e misturo com frutas doces (papaia, banana, pêras, figos etc.) ou mais ácidas (morangos, framboesas, mirtilos, laranjas, kiwis etc.). Junto também uns frutos secos (passas, tâmaras, nozes, avelãs,) ou sementes (chia, linhaça moída). Por vezes quando faço o leite e não vou dar papa à Gaby, congelo a aveia que sobra para não se estragar. Após descongelar faço a papa da mesma forma.

 

Abr15.JPG

 

Comer aveia (2).JPG

 

Comer aveia (6).JPG

 

Papa de aveia com alfarroba

1) Cozer a aveia em água (1 caneca de aveia, para 1 de água). Se ficar muita grossa podem acrescentar mais um pouco de água. Esta aveia como é em flocos, não precisa de ser demolhada
2) Adicionar 1 c. de chá de alfarroba em pó e 1 banana madurinha
3) Triturar um pouco com a varinha mágica.

 

Papaaveiaalfarrobabanana (3).JPG

 

 

Papa de millet com fruta

1) Deixar o millet de molho. Durante a noite, se conseguir, se se lembrar antes, se der, enfim aquelas situações de mãe-faz-imensas-coisas. Se não pelo menos umas horas

1) Cozer o millet em água (1 caneca de millet, para duas de água)

2) Misturar fruta cozida para tornar a papa mais homogénea.

 

CIMG0001 (2).JPG

 

CIMG0121.JPG

 Millet

 

CIMG0122.JPG

Bulgur

 

Há outras que ainda não experimentei, mas que devem valer a pena:

Espelta

Trigo kamut

Amaranto

Farinha teff

 

Como prevenção costumo ter as papas da holle que dentro das ofertas me parece ser a melhor alternativa, pois não têm açúcar adicionado e só levam os cereais. Recomendo novamente a Gabriela Oliveira  que tem boas receitas de papas caseiras aqui.

 

 

OS IOGURTES

Em relação aos iogurtes também optei pelos caseiros. Começámos por volta dos 11 meses, pelos mesmos motivos que começámos as papas. Deixo duas das receitas que costumo fazer.

 

Iogurte natural (versão do livro base da bimby)

Ingredientes

1000g leite

1 iogurte natural e sem açúcar

 

Mãos-à-obra:

1) Colocar os ingredientes no copo e programar 4min/50º/Vel3

2) Distribuir por frascos de vidro e colocar na iogurteira

3) Após 12h de fermentação, colocar no frigorífico

Durante muito tempo coloquei-os num saco térmico, no forno (desligado) e cobertos com uma manta mas por vezes ficavam um pouco líquidos. Agora utilizo a iogurteira e ficam sempre bons. Normalmente faço à noite e no dia seguinte estão prontos.

 

CIMG0017.JPG

 

Iogurte natural com leite vegetal (versão adaptada mundo receitas bimby)

Ingredientes

1000g de leite de aveia

1 iogurte natural e sem açúcar

2 c.chá de agar-agar

 

Mãos-à-obra:

1) Colocar no copo o leite de aveia e o agar-agar, misturar 10 seg/vel 5

2) Programar 5 min/100°C/vel 3

3) Retirar o copo da base e deixe arrefecer
4) Colocar o iogurte natural e programar 4 min/50°C/vel 3

5) Distribuir pelos copos e colocar na iogurteira cerca de 12h

6) Pode adicionar-se frutas, sementes ou frutos secos.

 

Para ficarem mais sólidos pode adicionar-se mais um pouco de agar-agar, no entanto não convém ser muito senão fica com a consistência de pudim e não de iogurte (apesar de os pudins também serem óptimos). O ideal é experimentar e aos poucos ir percebendo a quantidade certa, para a textura que mais nos agrada.

 

Há todo um mundo de iogurtes caseiros que se pode fazer em casa. Vejam mais ideias aqui.

 

AS BOLACHAS

Logo após os 6 meses não tinha grande hábito dar bolachas à Gabriela. A oferta nas lojas de uma forma geral é para esquecer. Corredores inteiros nos supermercados onde não há uma única bolacha digna de se oferecer a um bebé de 6 meses! Açúcar que nunca mais acaba (hidratos), gorduras saturadas (lípidos), aditivos alimentares (E´s – muitas já não trazem os E´s e sim o nome do aditivo). Pessoalmente considero que as bolachas não fazem falta na alimentação dos bebés, nem na dos adultos (bom aqui para os adultos: “Mas há algumas que são tão boas!”). No entanto, facilitam a vida, culturalmente estamos muito habituadas às mesmas e estão sempre escarrapachas à nossa frente em todos os momentos. Dou-lhe de vez em quando sim.

 

Como a oferta não é boa, comecei a fazer em casa. Levam apenas aquilo que quero e fico a saber o que levam. Já coloquei algumas receitas de bolachas aqui no blog, vale a pena ir espreitar.

 

Bolachas Fruta.JPG

 

Há algumas bolachas mais aceitáveis para a saúde. Algumas a preços mais elevados, outras nem por isso (as de linhaça custam 2,29€, mas as de arroz custam 0,98€). São boas para situações mais pontuais como viagens, “snacks” na rua, ou quando fiquei sem nenhuma em casa e não tive oportunidade de fazer para repor.

 

Abr15 (35).JPG

 

Abr15 (36).JPG

 

Abr15 (34).JPG

 

Fiz uma pequena tabela de comparação para termos uma ideia. Ficam a faltar as da Holle, pois não tenho aqui os dados:

Tabela.jpg

 

 

 

 

 


11 Março 2015

Muffins salgados de cenoura e cogumelos (versão tradicional)

 

Ingredientes

 2 Canecas (grandes) de farinha integral

1 c.chá de fermento

4 Ovos

2 Cenouras

1 Caixa de cogumelos frescos

1 Cebola pequena

4 c.sopa de azeite

3 c.sopa de leite vegetal

Pimenta, noz-moscada e orégãos

 

Mãos-à-obra:

1) Refogar a cebola com azeite num tacho até alourar

2) Juntar os cogumelos às tirinhas pequenas, até ganharam cor, retirar do lume e reservar

3) Separar as gemas das claras e reservar as últimas

4) Juntar a farinha e o fermento com as gemas

5) Adicionar a cenoura ralada, a cebola e os cogumelos refogados e mexer bem

6) Colocar o azeite e o leite (coloquei leite de aveia) e continuar a mexer com uma colher

7) Juntar as claras batidas em castelo e envolver

8) Juntar uma pitada de pimenta, noz-moscada e um pouco de orégãos

9) Untar forminhas de queques (utilizei umas forminhas de silicone), com azeite e farinha

10) Distribuir a massa pelas forminhas, tendo o cuidado de não as encher muito, pois crescem um bocado

11) Colocar algumas sementes por cima se quiserem (sésamo ou linhaça) - opcional

12) Levar ao forno pré-aquecido a 180º, durante cerca de 35 min. Verificar se já estão cozidos após esse tempo ou se necessitam de mais tempo no forno.

 

Formas (11).JPG

 

CIMG0276.JPG

 


Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
31


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO